Advogados usam QR Code em petições para facilitar comunicação com juízes

JUDICIÁRIO

O ambiente jurídico está passando por muitas inovações, principalmente em razão da evolução tecnológica. Por isso é preciso ficar atento e ser criativo, tendo bom senso na hora de escolher qual recurso usar para facilitar os trâmites do dia a dia. No último ano, por exemplo, surgiu uma novidade: processos que utilizam QR Code para facilitar a comunicação entre Advogado e juiz.

Como funciona o QR Code nos processos?

Na prática funciona assim: o QR Code é uma espécie de código de barras que, quando fotografado com um smartphone (que possua o leitor deste código), remete a um site, onde há um vídeo, um texto ou um áudio do Advogado explicando a petição.

Mas qual é a vantagem deste atalho?

O Advogado tem a oportunidade de se dirigir de forma mais direta ao magistrado, sem precisar entregar a petição de forma presencial. Imagine a facilidade que essa tecnologia proporciona nos casos de documentos oriundos do Rio Grande do Sul que precisam ser entregues a um juiz de Brasília.Essa modalidade foi usada pela primeira vez em 2017 e hoje já entrou nas graças de vários Advogados. Inclusive, foram desenvolvidos aplicativos que facilitam a criação deste código para ser utilizado no processo.

Quando os primeiros processos com este formato tiveram início surgiu uma questão: por que não colocar apenas o link no processo, uma vez que o Processo Judicial eletrônico – PJe já está ativo?

Há duas respostas para esta indagação: nem todos os documentos são enviados de forma eletrônica, como no caso dos memoriais. Então nem sempre o link seria viável. Além disso, o QR Code chama mais atenção, tanto pelo seu formato, quanto por ser colocado logo no início da petição.

Bom senso

A tecnologia ajuda na comunicação, mas o bom senso de utilizá-la adequadamente precisa partir de você. Cuidado com a linguagem. Não é o fato de se tratar de uma abordagem nova e mais direta que você pode usar gírias e palavras de baixo escalão. Piadas, por exemplo, não são bem aceitas por todas as pessoas. Há ainda um agravante: uma vez gravado, tudo o que for dito pode ser usado contra você. Assim, pense bem no que irá dizer e na forma como irá fazê-lo.

Praticidade para os juízes também

Como toda inovação, o uso de QR Code em processos ainda não é uma unanimidade entre os juízes. Há quem goste a há quem ofereça resistência por receio ou por não “gostar” do uso da tecnologia nos processos, mas em um sistema superlotado com ações dos mais diversos tipos, assistir ou ouvir uma explicação do Advogado sobre o que o pedido (que pode ter muitas e muitas páginas) tornaria o trabalho dos juízes mais fácil.

Ainda não dá pra afirmar se todos os Advogados e juízes irão aderir à novidade, mas o fato é que não dá para fugir da tecnologia para sempre. Nem mesmo o Judiciário conseguirá isso. Assim, em breve novas formas de trabalhar o Direito com o auxílio da tecnologia devem surgir. Em qual você aposta? Qual é a sua opinião sobre o assunto? Conte para nós nos comentários.

Você pode gostar de:  Nova política europeia de obtenção de dados entra em vigor no próximo mês

 Aproveite a promoção Certisign, adquirindo ou renovando o seu certificado Digital OAB no período de 23/03/2018 às 00h00 até 12/06/2018 às 23h59 (horário de Brasília) você concorre a 11 viagens para a Rússia. Saiba como participar.

Esse conteúdo foi útil para você? Se quiser continuar a receber mais materiais relacionados, preencha nosso cadastro logo abaixo. É rápido e leva apenas dois minutos.

Esse conteúdo foi útil?

Clique em uma estrela para avaliá-lo!

Poxa! Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Lost Password